segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

A Peça

Pop Five Music Incorporated
A Peça
Orfeu XYZ 140
1969
LP

Prelúdio:
1a. Overtüre [Pop Five Music Incorporated]
Acto I (Soft):
1b. Jesus, Alegria dos Homens (Johann Sebastian Bach - arranjo: Pop Five Music Incorporated)
2. Blackbird (John Lennon - Paul McCartney)
3. To Love Somebody (Barry Gibb - Maurice Gibb)
Acto II (Crescendo):
4. Medicated Goo (Steve Winwood)
5. Proud Mary [John Fogerty]
6. Mess Around [Ahmet Ertegun]
Acto III (Climax):
7. Hush [Joe South]
8. Fire (Jimi Hendrix)
9. Sour Milk Sea (George Harrison)
10. C'Mon Down To My Boat [Wes Farrell - Jerry Goldstein]
Finale (Histerical):
11. Can I Get a Witness [Eddie Holland - Lamont Dozier - Brian Holland]

Paulo Godinho: voz, guitarra, órgão hammond, piano, interjeições
Pi Vareta: voz, guitarra, guitarra baixo
Tozé Brito: voz, guitarra, guitarra baixo, fuzz
David Ferreira: voz, guitarra, órgão Hammond, piano, percussões
Álvaro Azevedo: bateria, percussões

Este trabalho tem várias características que o tornam um disco marcante na música nacional. Em primeiro lugar, é um dos três únicos LP's de pop rock editados por um grupo português na década de 1960 e o primeiro de uma formação não sediada em Lisboa. Depois, foi uma aposta arriscada de um editor que sempre se pautou pela diferença - Arnaldo Trindade - este acto de lançar para o mercado um álbum de pop rock nitidamente afastado das canções mais triviais, ainda para mais de um grupo que até então só tinha em carteira dois EP's (situação idêntica à da Filarmónica Fraude, aliás, que assinou contrato com a Philips numa altura em que a editora pretendia deitar cartas no pop rock nacional). De destacar, também, a ambição do grupo em conceber o álbum como se de uma peça teatral se tratasse, com as respectivas partes bem delineadas, o que também ficou presente no próprio grafismo do álbum, da responsabilidade do fotógrafo (e então piloto desportivo) João Paulo Sottomayor. Em último lugar, três dos músicos aqui presentes seguiram depois carreiras musicais de reconhecido valor e importância: Alvaro Azevedo, nos Arte & Ofício e Trabalhadores do Comércio; Paulo Godinho, como baixista em vários trabalhos marcantes da década de 1970, hoje a morar no Japão; e Tozé Brito, que passaria logo de seguida para o Quarteto 1111 e que dispensa quaisquer outras apresentações. Em termos do reportório gravado, não há aqui lugar para originais, mas as versões de temas dos Beatles, dos Bee Gees, de Jimi Hendrix, dos Traffic ou de Marvin Gaye são criativas o suficiente para quase fazer esquecer isso mesmo. Por outro lado, foi graças a esta tarimba que os Pop Five chegariam ao excelente conjunto de seis singles editados entre 1970 e 1972, construindo um reportório próprio que os colocava acima da grande maioria dos grupos nacionais e ao nível das formações britânicas de então. Em CD, a totalidade deste álbum encontra-se no duplo "Odisseia - Obra Completa 1968-1972".

4 comentários:

Fantomas disse...

Mas mesmo assim, é uma pena que não tivessem apostado mais em originais neste disco!

bissaide disse...

Pois, eu também preferiria, mas aí também pode haver uma razão a que não me referi no texto: sendo versões, mesmo de temas não tão lineares, sempre poderia ajudar a vender melhor o disco do que se fosse inteiramente constituído por originais. Antes deste LP, há apenas o bem giro "You'll See", do Tozé Brito, no 1º EP do grupo.

gnid disse...

Quais são os outros LP's (Conjunto Académico e ...)

bissaide disse...

"Conjunto Académico João Paulo no Teatro Monumental", do Conjunto Académico João Paulo (1966) e "Epopeia", da Filarmónica Fraude, já aqui referido.